Arquivo da tag: bergamota

Fígado de galinha com abóbora + frozen yogurt para a tarde

Ah, o fígado. Tão amado e odiado e polêmico. Apesar de nutritivo, é um órgão que filtra as impurezas do corpo – e no caso de aves e bovinos, absorve hormônios e antibióticos. Por isso, é importante verificar a procedência e por isso mesmo eu comecei a dar fígado há pouco tempo para a Eduarda. Convenhamos que é difícil achar um frango que não seja “bombado” ou caipira, principalmente quando se mora na cidade. Eu optei por não privar a Eduarda de receber certos nutrientes presentes no fígado, então eu dou com moderação.

Hoje eu fiz para o almoço fígado com purê de abóbora e batata e lentilha pra acompanhar. Costumo fazer a lentilha em maior quantidade e congelar em pequenas porções, assim como o feijão. Dessa forma, uso como acompanhamento em vários pratos.

Fígado com purê de abóbora:

Ingredientes:

– Alho
– Cebola
– Tomate
– Salsinha
– Fígado de galinha

Refoguei o alho e a cebola. Esperei dourar, coloquei a salsinha e o tomate. Coloquei o fígado, um pouquinho de sal* e água. Deixei 15 minutos na pressão.
(*Como estou adaptando aos poucos o cardápio da Eduarda ao da casa, coloco uma pitadinha de sal. Coisa muito pouca, tipo metade de uma colher de chá).

O purê de abóbora e batata é muito simples: cozinhei os ingredientes com duas folhas de manjericão para dar outro gostinho. Amassei para servir.

Descongelei a lentilha no fogo e montei o pratinho:

Imagem
Coloquei um pepino, mas Eduarda não deu muita bola :P

Eduarda comeu uma bergamota + mamá de sobremesa, mamou bastante e dormiu a sonequinha da tarde. Antes de colocar ela pra dormir, decidi adiantar o lanchinho dela. Hoje ela provou um frozen yogurt caseiro de manga. Piquei uma manga bem madura em pedaços e deixei no congelador. Deixei o iogurte natural bem gelado. Enquanto ela dormia (e eu também kkk), a manga congelava.

Ao contrário do que muita gente pensa, o iogurte pode ser ofertado para bebês de 6 a 12 meses. Mas é importante que seja o iogurte natural, sem açúcar e conservantes (e se possível, caseiro, mas como eu não tenho esse dom ainda, compro o natural), batido com uma fruta, ou junto com um sorvetinho ou ainda na salada de frutas do bebê. Também não deve ser oferecido logo após o almoço ou a janta,já que o cálcio presente nele dificulta a absorção de ferro – e aí vem a anemia.

Mais do que isso, é importante frisar: danoninho, chambinho, esses “inhos” da vida, NÃO SÃO IOGURTE e muito menos indicados para bebês. Possuem corantes, açúcar e o que menos tem é fruta. Eles são recomendados para crianças a partir de quatro anos. Aqui nesse blog que eu amo, o Delícias do Dudu, tem um texto bem legal sobre o danoninho-lixinho. :P

Imagem
Manga já congelada e iogurte natural da batavo

Quando Eduarda acordou, bati a manga com duas colheres de sopa cheias de iogurte no mixer. Ficou bem bonito  e geladinho.

Nova Imagem de Bitmap
Olha a carinha de satisfação <3

Anúncios

BLW ou mamãe tem medo que eu engasgue

Trago um assunto que até agora só vi sendo tratado por profissionais, mas nunca li um depoimento de mãe sobre a experiência com BLW.

Primeiro, vamos desdobrar e explicar a sigla. A sigla corresponde a baby-led weaning. Ou seja: o bebê “lidera” a sua alimentação. Consiste em deixar com que o bebê, já em fase de introdução alimentar, leve seu alimento à boca. Pra isso, é necessário deixar que ele coma “sozinho”. Entre aspas, porque sempre é necessária a supervisão. O raciocínio é simples: o bebê não tem nada forçado na sua boca. Ele descobre, ele sente o sabor e a textura e ele decide se quer comer ou não.

Bonito, não é? Maravilhoso. Mas de arrancar os cabelos. Toda mãe tem medo que o filho engasgue, ora essas. E aí vêm as dúvidas:

E se ele não se alimentar direito?

E se ele não quiser nada?

E se ele se engasgar?

E se ele não conseguir mastigar porque não tem dentes?

Em todos os lugares que pesquisei, em todas as comunidades que entrei (e logo após saí), eu via gente abominando a papinha e repetindo um mantra “Confie no bebê, confie no bebê ohmmmmm”. Olha, era até irritante no começo. No medo da Eduarda engasgar com algo, cheguei a comprar aquela chupeta de frutas, sabe? Dinheiro jogado fora. Eduarda usou duas vezes, o troço ficou encardido e difícil de lavar. Nojinho.

Sempre deixei pedacinhos na comida da Eduarda. Estávamos evoluindo muito bem até que, com sete meses, ela teve uma amigdalite violenta. Só aceitava mamá e nada mais. Comecei a bater a comida, deixar quase líquida, e aí ela se alimentava. Pouco, mas se alimentava. No primeiro final de semana que ela apresentou melhora, dei um brócolis pra ela. Nunca vi tanta festa. O que menos fez foi comer, mas ela entendeu que aquela arvorezinha também era alimento. Foi o primeiro passo pra BLW.

Nunca abdiquei de dar comida pra minha filha. Sempre fiz a comidinha, dei com colher, fiz avião, brinquei. Ela sempre se alimentou muito bem, e se alimenta até hoje. Com o tempo fui dando mais coisas nas mãos dela e confiando mais. É impressionante a capacidade deles (os loucos do mantra estavam certos) de se alimentarem e, pasmem: NÃO SE ENGASGAREM. Isso porque, quando o bebê sente que vai engasgar, faz o movimento de vômito. Tecnicamente chamado de Gag Reflex. Com o tempo, eles perdem esse reflexo, mastigam a comida e engolem bonitinho.

Decidi começar a testar com a sobremesa. Aliás, faz pouco que Eduarda come sobremesa, eu sempre dava peito. Decidi dar uma laranja (nessa ocasião aí da foto do header do blog) e ela amou. Eu tinha muito medo que ela largasse o peito por estar satisfeita, mas a menina não é boba, não! Come janta, come sobremesa e dá-lhe peito depois! Fui dando várias frutas pra ela e hoje ela só come fruta assim. De duas semanas pra cá, o lanchinha dela pra escolinha é nesse formato:

Image
“É que eu queria plantar um pezinho de carambola, pra que vire uma árvore de carambolas que dê milhões de carambolas.”

O resultado da minha experiência com a Eduarda é muito positivo, ou pelo menos está sendo até agora. A única coisa é que a mocinha só quer comer assim de uns tempos pra cá. Então, eu tenho que me virar na criatividade, porque ela ainda não consegue colocar a colher na boca sem transformar a cadeirinha em uma zona de guerra. Olhem a galeria da moça:

Image
Pêssego, Pitaia, Melão e Bergamota (essa de hoje à noite)

Vale lembrar que eu misturo os dois métodos. Ainda não me sinto 100% confiável pra deixar que Eduarda almoce ou jante sozinha (é um bebê, gente), mas encorajo ela a comer com as mãozinhas. E é muito lindo <3