Arquivo da tag: alimentação para bebês

Surpresinha: Participação Especial de Nutricionista \o/

Quando eu comecei o Pãozinho à Mesa, eu mal tinha intenção. Só queria colocar os pratos que eu faço para a minha filhota e talvez dar um norte para as mães que não sabem o que cozinhar. Me considero muito privilegiada por ter acesso à um tipo de informação que a maioria não tem. Conto com uma excelente pediatra para a minha filha, com um namorado participativo como companheiro e como pai, com informações que chegam até mim ou que eu vou atrás, com recursos para buscar em sites, livros, matérias, algo que sane minhas dúvidas quanto à criação da Eduarda. Principalmente, me considero privilegiada por gostar de aprender e ter o benefício da dúvida. Logicamente, filhos não vêm com cartilhas e nossa vida não segue uma rotina certinha. Não somos um comercial de margarina, a bem da verdade, tem dias que as coisas dão errado, que o bolinho fica duro, que o bebê não quer comer, que a coisa é na correria, que a casa está uma confusão. Mas vamos indo, aos trancos e barrancos às vezes, é verdade, mas felizes de termos um ao outro.

Privilegiada sou também por ter ao meu redor pessoas que gostem de repassar seus conhecimentos. “Conheço” a Thamires por ela ser esposa do meu colega de redação, o Ulisses (beijo, gente). Sei que ela é batalhadora, que tem seu  próprio consultório e que gosta de se atualizar. Thamires é uma nutricionista “fresquinha”, formada há pouco e que por isso ainda tem o viço de mudar o mundo que eu tenho hahahaha. Convidei ela há umas duas semanas para participar do blog com algumas dicas de nutrição. Acho importante eu não ficar somente papagaiando aqui sobre fornecer uma alimentação saudável às crianças e não ter um embasamento teórico hahaha

Copio aqui o texto que a Thamires me enviou. Espero que curtam a participação dela, que também se disponibilizou para sanar dúvidas (tá chique esse blog!)

Beijos a todas e hoje não tem receita, só amanhã :D

Olá, eu sou Thamires Flores, nutricionista na cidade Carlos Barbosa, RS. Apaixonada pela nutrição. Tenho imenso prazer em começar a contribuir com dicas sobre alimentação para as mamães, papais, cuidadores ou aqueles que simplesmente acompanham o Blog. Aproveitando agradeço o convite da Raquel para colaborar com este espaço e espero que gostem das Dicas de Nutrição, que estarei postando com todo carinho para vocês.

A chegada de um bebê é acompanhada de muitas descobertas, surpresas e dúvidas para os pais, cuidadores, enfim para quem convive e cuida do recém-nascido. A nutrição é, sem dúvida, um desses fatores geradores de incertezas.  Qual mãe, pai, familiar ou cuidador não quer oferecer uma alimentação de qualidade para seu bebê?  Certamente, todos querem o melhor para seus filhos, principalmente nessa fase onde a nutrição adequada é tão fundamental. Pensando nisso, para tentar esclarecer as dúvidas referentes à alimentação infantil, estarei postando algumas dicas.

O meu primeiro post não poderia ser diferente, os 10 passos para alimentação de crianças menores de dois anos. São 10 dicas simples que norteiam o cuidado com a alimentação das crianças.

Dez passos para alimentação Saudável de menores de 2 anos de idade

1-      Dar somente leite materno até os 6 meses, sem oferecer água, chás ou qualquer outro alimento (Salvo exceções, por indicação médica ).

2-       A partir dos seis meses introduzir de maneira lenta e gradual os alimentos, mantendo o aleitamento materno até os dois anos ou mais.

3-      Após os 6 meses , oferecer alimentos complementares (cereais, tubérculos, carnes, leguminosas, frutas, legumes), três vezes ao dia, se a criança estiver recebendo o leite materno. Caso não esteja deve receber cinco vezes ao dia.

4-      A alimentação complementar deve ser oferecida sem rigidez de horários, respeitando sempre a vontade de criança.

5-      A alimentação complementar deve ser espessa desde o inicio e oferecida com colher; começar com consistência pasto (papas, purês)e, gradativamente, evoluir a consistência até chegar à alimentação da família.

6-      Oferecer à criança diferentes alimentos ao dia. Uma alimentação variada e colorida.

7-      Estimular o consumo diário de frutas, verduras e legumes nas refeições.

8-      Evitar açúcar, café, enlatados, frituras, refrigerantes, balas, salgadinhos e outras guloseimas nos primeiros anos de vida. Usar sal com moderação.

9-      Cuidar a higiene no preparo e manuseio dos alimentos; garantir o armazenamento e a conservação adequados.

10-   Estimular a criança quando doente a se alimentar, oferecendo sua alimentação habitual e seus alimentos preferidos respeitando a sua aceitação.

Os dez passos para alimentação saudável são preconizados pela Sociedade Brasileira de Pediatria, Ministérios da Saúde, dentre outros órgãos competentes.

Essas são dicas são fundamentais para cuidar da alimentação das crianças menores de 2 anos. Lembrando que uma alimentação saudável nessa etapa da vida é de suma importância  para o crescimento e desenvolvimento adequado do seu bebê.

Bom pessoal, por hoje é isso e até a próxima dica.

ImagemA Thamires Flores é formada pela Unifra, de Santa Maria, especialista em Gestão e Atenção Hospitalar com ênfase em Hemato-Oncologia. Mas a gente vai fazer ela se apaixonar por nutrição infantil :)
CRN2 11004
Página no Facebook: Thamires Flores Nutricionista e Personal Diet

Anúncios

O começo

Decidi começar esse “braço” do Pãozinho no Forno por diversos
fatores.
Quando engravidei, eu não tinha a mínima noção de alimentação de
bebês e crianças. Eu só pensava em amamentar, porque pra mim, era mais do que natural. E continua sendo.

Os meses passaram, Eduarda completou seus seis meses em aleitamento
materno exclusivo e foi chegada a hora das papinhas.
Eu, até então só tocava na cozinha para pizzas e comidas calóricas (que ainda amo muito, é verdade), me vi em um dilema materno:

Aprendo a cozinhar ou caio nos industrializados?

Antes de arrancar os cabelos, respirei, pesquisei e me aventurei na cozinha. E quando a gente realmente gosta e acredita em algo, a gente vai adiante, levanta bandeira, se informa, participa de grupos de discussões, vira assunto, vira “dona da verdade”, vira “vad**”, vira “rainha da cocada preta”, mas levanta a cabeça e segue adiante.

Exagero? Experimentem defender algo que todo mundo é contra ou está
acostumado a fazer de um jeito diferente. Experimentem levantar a
bandeira de uma vida saudável sem ser chamada de “natureba” ou
ouvir um “coitadinha da bebê não tem docinho?” com aquela voz
irritante que as pessoas fazem pra falar com crianças.

Experimentem e me digam. É uma luta diária.

Ainda o outro motivo que me levou a criar o blog foi o incentivo das mães do grupo Alimentação Consciente, no Facebook. Como cada coisa que invento pra minha filha eu posto lá, algumas pediram pra eu reunir receitinhas. E aqui estou :)

Pequenos desabafos à parte, começo o blog com uma informação que
recebi ontem. A Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul faz uma
excelente campanha contra a Obesidade Infantil (aqui está o link)

Folhetos são distribuídos em consultórios (acho que deveria ter em escolas, creches etc hehehehehhe) e eu reproduzo os 10 mandamentos para alimentação saudável aqui para todo mundo ter acesso :)

1. Dar somente leite materno até os seis meses de idade, sem
oferecer água, chás ou outros alimentos
2. A partir de seis meses, introduzir GRADATIVAMENTE outros
alimentos, mantendo o aleitamento materno até os dois anos ou mais
3. Após os seis meses, dar alimentos complementares três vezes ao
dia, se a criança receber leite materno
4. A alimentação complementar deverá ser oferecida sem rigidez de
horários, respeitando sempre a vontade da criança
5. A alimentação complementar deve ser espessa desde o início.
6. Oferecer à criança diferentes alimentos todos os dias
7. Estimular o consumo diário de frutas, verduras e legumes nas
refeições
8. Evitar açúcar, café, enlatados, frituras, refrigerantes, balas,
salgadinhos e outras guloseimas nos primeiros anos de vida.
9. Cuidar da higiene no preparo e manuseio dos alimentos
10. Estimular a criança doente e convalescente a se alimentar,
oferecendo a alimentação habitual e seus alimentos preferidos,
respeitando sua aceitação.

Eu acrescentaria abolir industrializados, principalmente na fase de introdução alimentar das crianças. Não tem coisa melhor que se lambuzar com uma fruta ou comer uma comidinha caseira. Além de estimular a mastigação (coisa que papas industrializadas não conseguem, pois a consistência é pastosa demais), as crianças podem conhecer o real sabor das coisas e assim já formar a sua preferência.

Quando me perguntam o porquê de eu não dar doces pra minha filha eu respondo que tudo tem seu tempo. E tem mesmo! mas antes que ela conheça chocolate, bolachinha e coisas com açúcar, eu prefiro que ela tenha o paladar bem formado.

Lá na aba “sobre” eu escrevo um pouco mais a respeito do início e da alimentação da Eduarda. Espero que gostem <3